CONTEÚDO DE BLOG

Saiba como fazer uma pesquisa de mercado em tempos de pandemia!

Você tem dúvidas de como fazer uma pesquisa de mercado eficaz? Sim? Não se preocupe, aqui, explicamos TUDO o que você precisa saber para realizá-la.

Que atire a primeira pedra a pessoa ou empresa que não sofreu nenhum impacto com o desenrolar da pandemia de Covid-19. Mas e quanto a fazer uma pesquisa de mercado no cenário atual?

Enquanto alguns negócios tiveram resultados positivos, como o aumento da demanda por seu produto ou serviço, a maioria das empresas se viu prejudicada pela redução da procura, do fluxo de matéria-prima, do valor destinado à sua aquisição; pela dificuldade na obtenção dos insumos e pelo aumento de custos; pela redução do quadro de funcionários; entre diversas outras consequências infelizes do contexto ao qual tivemos que nos adaptar.

Todavia, nem tudo está perdido: embora esse período tenha trazido reflexões complexas e realidades difíceis de serem enfrentadas, também foi possível extrair lições, motivações, ideias e força de vontade para seguir adiante e lidar com os desafios. Foram e continuam sendo necessárias soluções para crises econômicas, empresariais, sociais, políticas e culturais.

No texto de hoje, abordaremos alguns fatos sobre o impacto da pandemia e daremos dicas de como impulsionar o seu negócio no cenário atual. Vamos lá?

Quem se beneficiou e quem se prejudicou com a pandemia?

Uma mulher de máscara em uma chamada em vídeo com um homem de máscara, fazendo uma pesquisa de mercado online.

Algumas empresas com gestão mais conservadora e maior presença de mercado, como a Ambev, Eletrobrás e JBS, encerraram o ano de 2020 com resultados bastante positivos, apresentando aumento de sua receita. Isso indica que indústrias de bens de consumo de primeira necessidade, como alimentos, bebidas e energia, conseguiram lidar bem com o novo panorama econômico, afinal, sua demanda não diminuiu.

Estas e outras grandes empresas acabaram, também, se beneficiando com o fracasso de empresas menores: por dominarem grande parcela do mercado, acabaram “abocanhando” os consumidores dos pequenos negócios que não resistiram à crise e tiveram de fechar suas portas.

Por outro lado, empresas como a Azul, Suzano e Oi, representando serviços relativamente dispensáveis no cotidiano de grande parte do país, como transporte aéreo, papel, celulose e telecomunicações, sofreram com grandes prejuízos ao longo do último ano.

Banner da Rock Convert Esag Jr2

Além disso, a alta do dólar teve grande impacto em praticamente todos os setores ao aumentar a dívida em moeda estrangeira e diminuir o lucro líquido das empresas, apertando o orçamento, levando ao corte de gastos e, muitas vezes, ao encerramento do negócio.

Como se preparar para crises como a do Covid-19?

Ninguém espera uma crise, mas é importante estar preparado: o segredo é saber se reinventar em circunstâncias não convencionais. O investimento no ciclo logístico, assegurando a cadeia de fornecedores e parceiros e garantindo que o processo produtivo se mantenha ativo, assim como o investimento na tecnologia e no digital, têm sido os principais diferenciais entre negócios bem sucedidos e aqueles que estagnaram.

Elencamos, aqui, alguns esforços que fizeram a diferença para várias das empresas que se mantiveram saudáveis durante esse período:

  • Aprender a trabalhar com um estoque menor: com o isolamento social e menos pessoas nas ruas consumindo ou economizando para os bens essenciais, a produção, logicamente, caiu. Com o auxílio emergencial, ocorreu um pequeno aquecimento na demanda, o que permitiu às empresas queimarem os estoques do período imediatamente anterior. Nesse aspecto, promoções foram estratégias frequentemente utilizadas, garantindo o volume de receitas ao reduzir o preço dos produtos – o que, consequentemente, acaba por reduzir os lucros. Todavia, em um panorama onde as vendas estavam congeladas, pouco lucro é melhor que lucro nenhum.
  • Expandir sua presença no meio digital: praticamente todos os setores conseguem se fazer presentes nas redes sociais, seja através do e-commerce, seja através da produção de conteúdos de valor para os clientes. Através da digitalização de processos até recentemente realizados de maneira presencial, tornou-se possível explorar um nicho até então superficialmente conhecido, migrando os negócios para plataformas virtuais com alto nível de interatividade e multiplicando as vendas, desde que tendo um bom apoio logístico.

É importante lembrar que o e-commerce não é uma tendência, e sim uma realidade: mesmo após a “normalização” do cotidiano pós-crise, os canais virtuais permanecerão em destaque devido a sua facilidade de acesso, processamento e também à redução de custos.

  • Unir-se com os concorrentes, fortalecendo o seu setor: Claro, Oi, Tim e Vivo lançaram uma campanha conjunta para garantir a conexão de seus usuários sem que precisassem sair de casa. O atendimento tornou-se 100% digital, assim como o suporte técnico (sem deixar de lado o atendimento presencial); vários canais pagos de TV por assinatura foram temporariamente disponibilizados, bônus de internet foram concedidos e ocorreu a isenção de franquia para acessar aplicativos oficiais do governo e autoridades sanitárias. Dessa forma, ao abrir mão da competitividade em prol do bem comum, todas as empresas saíram, de certa forma, ganhando.
  • Otimizar o atendimento em qualquer plataforma: mesmo que a comercialização do seu produto ou serviço tenha sido afetada pelas circunstâncias do Coronavírus, é importante manter um alto padrão de atendimento tanto no pré quanto no pós venda. Ao chamar a atenção para o seu produto e criar uma demanda para ele, mesmo com dificuldades na aquisição de matérias-primas ou na produção do mesmo, sua forma de atrair o usuário desenvolve uma intenção de compra. Da mesma forma, o acompanhamento do cliente após a aquisição do produto ou serviço busca a retenção e fidelização do mesmo. Assim, apesar da comercialização ser o objetivo principal de um negócio, o relacionamento com o cliente é, muitas vezes, determinante para o seu sucesso.
  • Criar uma rede de apoio: ao divulgar negócios locais e promover ações em parceria com outras empresas, ambos se beneficiam. Como exemplo, podemos citar a Stella Artois, que criou o movimento “Apoie um Restaurante” cuja intenção era doar dinheiro a restaurantes que viram seu fluxo de caixa ser drasticamente reduzido com as normas de isolamento social. Assim, além de incentivar o consumo do seu bem ou serviço, a parceria ainda concede visibilidade a outros negócios, permitindo a aplicação de promoções, descontos, benefícios ou mesmo doações, multiplicando sua atuação e gerando uma boa mídia para a sua marca.
  • Disponibilizar conteúdos gratuitos ou amostras do seu produto. Especialmente para despertar o interesse em novos clientes e ampliar o alcance do seu produto ou serviço, é necessário atrair a atenção dos consumidores ou fornecer amostras para que eles conheçam aquilo que você produz. Assim, oferecer conteúdos relevantes de forma gratuita e distribuir materiais relativos ao seu negócio certamente te ajudarão a expandir sua base de clientes.
  • Possuir uma reserva de emergência: importante tanto para a vida pessoal quanto para a saúde de uma empresa, é imprescindível contar com uma quantia destinada aos imprevistos. Em termos pessoais, o ideal seria ter o suficiente para cobrir os custos de vida por seis meses sem precisar depender do trabalho, para situações extremas como o caso de uma demissão. Para muitas pessoas, a pandemia foi sinônimo de desligamento das suas empresas, o que apenas reforçou a necessidade de se preparar financeiramente para momentos de incerteza econômica. Dessa forma, as empresas também devem ter uma quantia destinada à sobrevivência do negócio pelo máximo de tempo possível, arcando com custos imprevistos.
  • Estabelecer um “gabinete de crises” para uma maior agilidade na tomada de decisões: mais aplicável para empresas maiores, é interessante criar equipes para assuntos urgentes, definindo objetivos a serem alcançados e passos a serem dados de forma rápida. Essa atitude leva a uma análise de diferentes pontos de vista e abordagens de problemas e soluções, visando minimizar os prejuízos ao negócio e mantê-lo operante da melhor forma possível.

Em um cenário de incerteza, a primeira medida lógica é a redução de custos. Apesar de correta e provavelmente necessária, no entanto, ela não deve ser a única atitude tomada: é preciso readaptar seu negócio para a nova realidade, buscando o crescimento e a inovação através de novas oportunidades. O digital é, certamente, um grande aliado nesse processo.

Assim, aproveite esse momento para perceber as lacunas no seu negócio, entender suas limitações, investir nas mudanças necessárias e agir rapidamente em busca da inovação. É preciso manter o otimismo e dar asas à criatividade, inspirando-se em exemplos bem sucedidos e buscando tornar-se um deles.

Parceiros são sempre bem vindos, pois eles ajudam a direcionar seu negócio para o sucesso e permitem um crescimento coletivo. Falando em parceiros, que tal entrar em contato com a ESAG Jr. e conferir nossas dicas para atingir os resultados esperados para o seu negócio, mesmo durante a pandemia? 😉

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin

Aproveite a visita para
assinar a nossa newsletter.